Siga-nos nas Redes Sociais


COLUNISTAS

Patrick Gallo explica como interpretou Mario Puzo, autor de “O Poderoso Chefão”

Publicado

dia:

Em 1969, o romance “O Poderoso Chefão” do escritor em dificuldades Mario Puzo foi publicado. Baseado na pesquisa de Puzo sobre o mundo do crime organizado – ele alegou nunca ter conhecido um gângster enquanto trabalhava no livro – o conto fictício se concentra na poderosa família criminosa Corleone de Nova York. O idoso Don, Vito Corleone, acaba entregando o controle da família para seu filho mais novo, Michael, que começa não querendo se envolver no “negócio”, mas acaba se tornando o senhor do crime mais implacável de todos.

De acordo com o New York Times, Puzo escreveu o livro – um thriller pulp com fortes doses de sexo e violência – puramente na esperança de criar algo com o qual o público se conectasse, já que seus dois romances anteriores, mais esforços literários, afundaram rapidamente após a publicação. Em outras palavras, ele escreveu “O Poderoso Chefão” por dinheiro, e seus instintos estavam certos, pois o livro se tornou um best-seller instantâneo e, em 1972, a base de um dos maiores filmes já feitos.

A produção desse filme é o tema da nova série da Paramount+ “The Offer”, que narra o turbulento processo de trazer “O Poderoso Chefão” para a tela. Puzo, que co-escreveu o roteiro com o diretor Francis Ford Coppola, é interpretado na série por Patrick Gallo, cujos créditos anteriores incluem “O Irlandês”, de Martin Scorsese.

Gallo, que afirma que “veio de um mundo” em que várias pessoas próximas a seu pai eram semelhantes às retratadas em “O Poderoso Chefão”, disse em uma entrevista exclusiva que havia uma coisa que ele queria evitar ao interpretar Mario Puzo. “Eu não queria fazer uma espécie de semi-impressão dele”, disse ele. 

Com a morte de Mario Puzo em 1999, não havia tanta documentação arquivada ou registrada do autor quanto poderia existir hoje. Mas isso não impediu Patrick Gallo de mergulhar no papel, já que ele não tinha vontade de simplesmente imitar a voz ou os maneirismos de Puzo.

“Havia um pouco disponível para mim”, disse ele em entrevista à imprensa estadunidense. “Foi um pouco mais baseado na leitura de seu trabalho. Ele colocou tanto de sua vida e amor na quantidade inacreditável de páginas que ele escreveu, em sua bela poesia. Quer dizer, ele era um poeta, e eu realmente tentei encontrar, não estou tão preocupado fisicamente com tudo o que está acontecendo ou causando uma impressão tanto quanto estou com seu amor pela arte, sua paixão e seu amor pela vida e amor pela família. Essas camadas estavam por trás de tudo o que eu estava dizendo.”

Gallo acrescentou que sua prioridade era capturar o “espírito” de Puzo, bem como a carga criativa que o célebre autor – que depois escreveu muitos outros livros e roteiros – aparentemente sentiu ao colaborar com Francis Ford Coppola, com quem iniciou uma profunda amizade (via Esquire).

“Foi bom descobrir a empolgação de Mario por entrar neste novo capítulo de sua vida”, explicou Gallo. “O livro já era um grande sucesso, e ele era muito rico, mas conseguiu entrar nesse outro gênero, nesse outro estilo de arte. Acho que desenvolver esse relacionamento com Coppola… Sabendo o tipo de alegria que ele fazer isso com um colega artista que ele respeitava profundamente foi uma coisa legal de se saber. Isso foi inspirador.”

“The Offer” está atualmente sendo transmitido no Paramount +, com novos episódios estreando às quintas-feiras.

ACESSOS DA PÁGINA

JB ASSISTÊNCIA

ATENDENDO PELO WHATSAPP - 9.8166-3600

DISTRIBUIDORA LUCINDA

PASSAGENS AÉREAS

SUNDOWN PARK

PROVEDOR DE INTERNET

JB NO TWITTER

MAIS LIDAS DO MÊS